Réu confessa culpa e promotoria comprova sua inocência. Só podia ser em Israel. Conheça esta história bizarra que envolve a organização Breaking the Silence

Dean Issacharoff, porta-voz em Israel de Breaking the Silence

O porta-voz em Israel da Breaking the Silence (Quebrando o Silêncio), Dean Issacharoff, cuja trabalho é o de demonizar os soldados e o exército de Israel, entregou-se à polícia confessando ter espancado, fortuitamente e intencionalmente, um civil palestino, enquanto estava em seu serviço militar obrigatório. O réu exigiu ser condenado sumariamente, mas a promotoria exigiu um julgamento comum.

Uma testemunha atrás da outra, incluindo os soldados de seu próprio pelotão negaram que o espancamento tenha ocorrido. E para dar um fecho mais didático à questão, a vítima foi ao tribunal e não só não reconheceu seu agressor confesso, como declarou sob juramento que nunca havia sido agredido.

O réu, então, acusou o promotor de ser um mentiroso.

Esta situação surreal tem uma explicação: a organização ultra esquerdista judaica “Breaking the Silence” foi criada para acusar (geralmente no exterior) os soldados israelenses (e, por implicação, todo o exército israelense) de violar os direitos humanos e agredir criminalmente os civis palestinos. As acusações apresentadas pela organização são anônimas e não verificáveis, o que significa que em Israel a organização não tem sucesso como no exterior, principalmente em palestras em universidades junto a ações do BDS. Para corrigir esta situação, o porta-voz da organização decidiu se ‘sacrificar’ e se acusou de ter realizado atos contra os direitos humanos (batendo num prisioneiro palestino) ao fazer seu serviço militar.

No julgamento, foi demonstrado que o porta-voz estava mentindo. A organização Breaking the Silence entrou com uma ação na justiça acusando a promotoria e sistema jurídico de Israel de ter trazido um ‘palestino falso’ para testemunhar contra o réu.

Por seu lado, o porta-voz do BS deverá receber uma pena severa de prisão por falsa comunicação de crime e perjúrio na corte sob juramento.

O BS é responsável por várias ações ao longo dos anos onde levam fotógrafos e câmeras para filmar seus membros e palestinos que os apoiam, importunando os soldados do IDF e fingindo-se de agredidos para depois utilizar estas imagens em campanhas internacionais contra Israel.

A organização Breaking the Silence, divulgou um vídeo do que seria a ação violenta, e a única coisa que se vê são três palestinos conduzidos presos delicadamente pelos soldados, usando algemas de plástico.

José Roitberg
About José Roitberg 323 Articles

Jornalista, professor sobre o Holocausto formado no Yad Vashem e pesquisador sobre a história dos judeus e do Rio de Janeiro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*