“Iom Kipur” – Dia do perdão

O “Iom Kipur”, também conhecido como ‘dia do perdão’, ‘dia da reparação’ ou ‘dia da redenção’ é, junto com o feriado de “Rosh Hashaná”, um dos dois feriados mais importantes do calendário judaico – para as correntes mais religiosas, chega a ser o mais importante. Muitos judeus que não cumprem nenhum outro feriado durante o ano cumprem o “Iom Kipur”, devido à sua grande importância. Ele se realiza todos os anos dez dias após o “Rosh Hashaná” (ano novo judaico), começa no anoitecer da véspera do feriado e dura até o anoitecer, totalizando 25 horas.

O feriado leva este nome porque, segundo a tradição judaica, é neste dia que D’s sela o Livro da Vida, e o destino de cada pessoa pelo próximo ano é decidido neste período – baseado na reflexão realizada desde o ano novo. Durante o ano, cometemos todo tipo de erros, voluntários ou involuntários. O processo da teshuvá (arrependimento, retorno ao bem) se inicia desde o começo do ano judaico, o “Rosh Hashaná”, e no “Iom Kipur” os nomes daqueles que se arrependeram de seus erros e apresentaram resoluções para um ano melhor são finalmente inscritos no Livro da Vida. Parte do processo de arrependimento e penitência é, no “Iom Kipur”, o jejum: nada pode ser comido ou bebido, inclusive água.

Esse ano o Yom kippur cai no dia de Shabat! Um jejum no shabat é denominado Shabat Shabaton,o shabat dos shabat.

Um jejum com uma elevação espiritual maior, que veio bem a calhar, nesse ano conturbado que estamos enfrentamos.

Em atenção às inúmeras solicitações que sempre recebemos nessa época segue abaixo a lei municipal sobre os feriados judaicos:

LEI Nº 1410, DE 21 DE JUNHO DE 1989 – LEI GOMLEVSKY

Determina o Poder Executivo dispensar os servidores no dia e nas condições que menciona, e dá outras providências.

Autor: Vereador Ronaldo Gomlevsky

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Faço saber que a Câmara Municipal do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º – Os servidores do Poderes Legislativo e Executivo, da Administração Direta e Indireta, que professam a religião judaica, ficam dispensados de assinar ponto nos dias determinados à observância de YOM KIPPUR, PESSACH e ROSH HASHANÁ.

Parágrafo Único – Serão computados como de efetivo exercício, estes dias, não acarretando ao servidor prejuízos de seus direitos e vantagens.

Art. 2º – Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 21 de junho de 1989.

Posteriormente quando Marcelo Alencar assumiu o governo do estado do Rio de Janeiro, a lei foi expandida para os funcionários públicos estaduais.

Há um entendimento federal de que os funcionários públicos federais, para termos de feriados e ponto, seguem as leis dos estados e municípios onde estão alocados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*